domingo, 12 de dezembro de 2010

Carta à Enzo

Enzo,

Saiba que a mamãe ainda te vê em todas as coisas boas que você deixou. E que não esqueço você. O cheiro doce do seu cabelo, que encostava no meu rosto quando você me abraçava forte (e você sempre abraçava forte...). Eu nem preciso fechar os olhos para sentir seu beijo, há tanto tempo abandonado à saudade... Às vezes, eu sinto como se você estivesse exatamente aqui... quase posso te tocar, sentir sua respiração!

Lembro de quando me enviava cartas, diariamente, por baixo da porta do nosso quarto, a mesma porta que havíamos pintado nossos nomes, do mesmo quarto onde fomos tão felizes. E você gritava poeticamente: ‘Carteiro!’. E eu ria da situação e rapidamente lia minha tão esperada correspondência, para em seguida responder. Eu não poderia imaginar uma vida sem você, seu amor, seus cotidianos ‘eu te amo’, suas cartas e poesia. E ainda lembro, com força e desespero, das suas mãos pequenas tocando as minhas, das pontas dos seus dedos nos meus, desenhando nossos sonhos e destinos. Eu não poderia conceber que não o teria ao meu lado em todos os momentos da minha vida, em cada passo, caminho, conquista. Eram seus os planos de ser músico e médico e escritor. Você deve lembrar que eu achava lindo e engraçado você querer tantas coisas ao mesmo tempo, você ainda tão pequeno, o meu pequeno... Mas eu acreditava nos seus planos, eu nunca deixei de acreditar que você conquistaria o que desejasse. Não havia dúvidas: eu sempre estaria ao seu lado, segurando sua mão, te ajudando a vencer todas as dificuldades.

Então, meu filho amado, me perdoa se não segurei sua mão na hora nefasta. Me perdoa se não estive ao seu lado na reta final. Me perdoa chorar todos os dias a sua ausência, tão presente em minha vida. Me perdoa se ainda espero pelas cartas, que nunca vêm... e me perdoa também não ter conseguido, mesmo depois de quatro anos, reler as cartas que você me deixou, manifestações genuínas do seu amor por mim. Me perdoa nada poder contra a morte, contra o destino, o acaso, ou deus. Me perdoa as noites que fomos privados de passar juntos, os abraços que não mais pudemos dar, os planos estilhaçados. Perdoa a mamãe não ser tão forte quanto gostaria... nem sempre é fácil levantar e perceber, mais uma vez, que você não está aqui.

Tenho certeza que um dia nos reencontraremos. Isso me mantém forte. E eu sigo te amando...

Mamãe Milena

3 comentários:

Natália disse...

Essa, sem dúvida nenhuma, foi uma das cartas mais lindas e tocantes que eu já li.

Um beijo.

ġ€rm@ñ@ disse...

Nunca nada me tocou com tanta profundidade...{muito sinceramente falando}
Deus te conforte e continue te dando forças!

Este é o meu Blog disse...

Amiga, que postagem mais linda !!!
Visitei muitos Blogs e ainda não tinha me emocionado assim . Amor de mãe e filho é muito especial e é um laço muito forte . Eu não fazia idéia do que você já havia enfrentado na sua vida .. Mas é fato que esse reencontro acontecerá um dia, continue acreditando, seja forte e tenha fé!!! Bjs, e O SENHOR DEUS ABENÇÕE VC, ENZO E TODA A SUA FAMÍLIA !!! Ainda nem te vi, mas já te adoro tanto !!!

 
;